Atendimento:

8:00 - 18:00

Ligue:

(82) 3336-4247

4 fatos que comprovam que as novas empresas devem investir em marketing

É comum que empreendedores que estão no processo de abertura do seu negócio esqueçam de planejar um item extremamente importante: O investimento em marketing! Neste texto vamos mostrar porque as novas empresas devem investir em marketing desde o início das operações.

Muitos empreendedores preferem adiar o investimento em marketing para quando a empresa estiver estabilizada e com dinheiro sobrando. No entanto, a falta desse investimento já no início impede o pleno crescimento da empresa, diminuindo a sua competitividade no mercado.

Veja abaixo 4 fatos que comprovam que as novas empresas precisam investir em marketing para que consigam alcançar o sucesso no mundo do empreendedorismo:

Marketing expande a visibilidade

Começar um negócio do zero é um grande desafio para empreendedores. O caminho até o reconhecimento é extenso e com muitos empecilhos. Desse modo, devemos encontrar maneiras de encurtar esse caminho e garantir nosso espaço no mercado.

Devemos considerar fatores como:

  • Competitividade na área;
  • Concorrência;
  • Demanda pelo produto ou serviço;
  • Custos envolvidos no negócio;
  • Legislação;
  • Entre outros.

Se você tem um plano de negócio bem estruturado, provavelmente já sabe quais os desafios que sua empresa precisará enfrentar. Sendo assim, o investimento em marketing deve ser seu grande aliado, pois ele proporcionará maior visibilidade e mostrará o diferencial da sua empresa em relação a concorrência.

No início das atividades, poucas pessoas vão conhecer sua empresa e você terá poucos clientes. Dessa forma, um bom planejamento das ações de marketing fará com que sua empresa esteja na memória das pessoas como mais uma opção de produto ou serviço.

Marketing fortalece a marca

Há estudos que mostram que a maioria das empresas no Brasil sobrevive em média de dois a cinco anos no mercado. Para não cair nessa estatística negativa, empresas novas precisam a todo momento fortalecer sua marca e buscar expandir seu mercado.

E para ter uma marca forte e reconhecida, é preciso investir em itens como:

  • Identidade visual;
  • Criação de site;
  • Ações de marketing digital;
  • Materiais gráficos;
  • Propagandas para mídia;
  • Entre outros.

Tudo isso tem custo e você deve colocar esse investimento no planejamento de marketing do seu negócio. Contudo, esse conjunto de ações de marketing vai colaborar para que a empresa fortaleça sua marca, ganhe credibilidade e caminhe em direção a prosperidade.

Comunicação eficiente com seu público

O marketing é extremamente importante para que você consiga se comunicar com seu público de forma eficiente. De nada adianta a empresa fazer promoções, ter um produto genial e o público não saber da existência da empresa.

Por isso, investir em marketing é também criar estratégias para conversar com seu público, melhorando o relacionamento com os clientes atuais e futuros clientes.

Fidelização dos clientes

Alguns estudos mostram que cerca de 65% do faturamento de uma empresa são de clientes fidelizados. E aí vem um problema: Se minha empresa está iniciando, como conquistar e fidelizar clientes?

É nesse momento que sua empresa deve investir pesado em marketing. Assim, o marketing lhe ajudará num primeiro momento a chamar a atenção do público para a existência da sua empresa.

Posteriormente, seu o investimento em marketing deve mesclar entre a conquista de novos clientes e fidelização dos antigos. Ou seja, é um investimento que precisa estar no seu planejamento desde a abertura da empresa e continuar avançando à medida que a empresa cresce.

Por fim, o investimento em marketing será crucial para que sua empresa esteja sempre competitiva no mercado e alcance o sucesso em sua área de negócio!

A importância do planejamento logístico para quem vai abrir um negócio

Embora a palavra planejamento evoque na mente métodos rígidos de controle, essa etapa na logística envolve também o gerenciamento de processos de negócios. Ou seja, quem vai abrir um negócio precisa de um sistema para supervisionar o movimento das mercadorias, além de ter o controle sobre elas.

O planejamento logístico é importante, então, para supervisionar, analisar e implementar um fluxo de trabalho eficiente. Do ponto de criação ou produção até o ponto de consumo, o planejamento estabelece ações concretas para a boa execução do trabalho.

Dito isso, pensemos agora em um negócio que esteja prestes a abrir. Não é fácil encontrar soluções eficientes no primeiro momento, principalmente quando o gestor não tem experiência.

Portanto, vamos entender melhor por que o planejamento logístico é importante para as empresas que estão começando.

Obter métricas fundamentais

O planejamento logístico envolve diversas métricas que serão fundamentais para o gerenciamento futuro do negócio. O tempo de ciclo despendido na logística e o custo de todo o processo são exemplos de recursos excelentes obtidos pelo planejamento logístico.

Importância para a reputação do novo negócio

Os primeiros meses e anos de trabalho serão fundamentais para estabelecer uma imagem forte do negócio. O posicionamento tomado nesse período pode ser decisivo. Por isso, é fundamental adequar a logística nesse sentido.

O planejamento logístico precisa ser bem criterioso e estabelecido para que as entregas sejam feitas da maneira que foram planejadas. Dessa forma a marca se consolida no mercado como uma empresa eficiente, e demonstra para o público e para os concorrentes que possui razões para ser também confiável.

Competitividade

Outra dificuldade de quem vai abrir um negócio é a competitividade. As demandas são atendidas por outras empresas, e o público confia nessas marcas. Chegar disputando um espaço com quem já está consolidado é bastante complexo. A logística, nesse ponto, não deve ser vista como um desafio, mas como uma oportunidade.

Hoje em dia o consumidor está mais atento a todo o processo, da compra em um e-commerce à entrega pela transportadora. Pense, então, na logística como um diferencial para sua empresa. Por que não mostrar que o negócio é diferente, no sentido de ser melhor que a concorrência? Esse é um bom caminho para se destacar.

Redução de custos

O planejamento logístico de um negócio que está começando também é importante para a redução de custos. As primeiras operações vão demonstrar os gastos que o processo inteiro terá. Com isso você obterá novas informações que permitirão melhorar o planejamento, tendo em vista a economia.

Por exemplo: com o planejamento logístico é possível determinar a melhor rota de entrega. Você passa a conhecer o caminho mais curto, seguro e barato. Não só o dinheiro será economizado, mas também o tempo.

Outra redução de custo importante diz respeito às embalagens e os investimentos em mercadorias. Você consegue reduzir os tamanho dos produtos, sem reduzir a quantidade, poupando bastante espaço.

Cabe mencionar aqui também a importância de se estruturar os recursos em um sistema. O planejamento logístico sempre dependerá do modelo estruturado de negócios. Ou seja, será importante recorrer a uma organização, um fluxograma eficiente. De nada adianta estruturar um excelente planejamento sem uma contabilidade bem-feita, por exemplo.

Por isso, recomendamos fortemente a utilização de um sistema contábil. Dessa forma, você começa pelo princípio, que é a gestão eficiente do caixa.

Como um bom planejamento financeiro pode garantir a saúde da sua empresa

A saúde financeira da empresa é uma das principais preocupações de qualquer gestor. Afinal, lucro não é apenas o grande objetivo, mas o capital é essencial para a evolução e sobrevivência do negócio. Por esses motivos, o planejamento financeiro é essencial.

Este conceito envolve o controle completo das finanças do negócio, sendo uma forma de diagnosticar o estado dele. Então, se você quer garantir a saúde da sua empresa, confira porquê o planejamento financeiro é tão importante e algumas dicas de como fazê-lo.

Por que o planejamento financeiro é tão importante?

Ao fazer um planejamento financeiro, o gestor de uma empresa faz um controle de todos os gastos e entradas. Assim, fica claro o motivo pelo qual esta prática é tão importante: o gestor reúne informações valiosas. Em outras palavras, ele sabe exatamente quais são os gastos e entradas passadas e pode fazer projeções sobre o futuro.

Então, por exemplo, o gestor pode analisar suas contas e saber o quanto tem disponível para fazer certos investimentos. Enquanto isso é crucial, muitas empresas compram apenas por necessidade. Investem em máquinas, por exemplo, sem nenhuma certeza de que haverá verba para cobrir. Por isso, a empresa acaba tendo grandes problemas.

Resumidamente, o planejamento financeiro é essencial para que o gestor tenha informações precisas de como este recurso pode ser usado. Por outro lado, não ter esta preocupação é um risco.

Sem saber exatamente quais são as despesas, pode ser que exista um erro na precificação dos produtos e serviços, por exemplo. Outro problema comum é não haver um controle de recebimentos adequado.

Os problemas mais graves surgem quando a falta de planejamento financeiro afeta os aspectos mais básicos da empresa. Primeiramente, o capital de giro. Não ter o recurso para pagar as contas do dia a dia é um problema que leva à falência de muitas empresas.

Em seguida, existe a questão do próprio lucro. Afinal, este é o objetivo de toda empresa capitalista, mas como você sabe que está o alcançando sem um planejamento financeiro adequado?

Como fazer o planejamento financeiro?

Ficou claro que o planejamento financeiro tem dois grandes objetivos: fazer um diagnóstico do estado da empresa e trazer informações para a tomada de decisões. Porém, como fazê-lo de maneira adequada?

Em muitas empresas, especialmente as menores, isso ocorre de forma informal. Ou seja, o próprio gestor faz este controle e, durante um tempo, ele é o suficiente. Porém, conforme a empresa se estabelece no mercado e cresce, a complexidade das finanças também cresce.

O ideal é que, quando chegue este momento, o gestor tenha alguma forma de apoio para fazer o planejamento financeiro. Felizmente, no mercado atual, existem diversas opções. Ter um departamento interno de contabilidade é uma solução para empresas maiores, nem sempre vale o custo.

Por outro lado, ter uma contabilidade terceirizada e um software de gestão financeira ajudam a fazer este controle. Implementar estas soluções é uma forma de fazer o planejamento financeiro, com um bom custo-benefício.

Então, para concluir, vale a pena fazer o planejamento financeiro para alcançar os seguintes objetivos:

  • Reduzir custos;
  • Aumentar os rendimentos;
  • Evitar erros, tanto de gestão financeira, como de fiscalização;
  • Ter a capacidade para lidar com emergências;
  • Tomar decisões com mais propriedade.

Portanto, se você ainda não tem um planejamento financeiro mais sofisticado na sua empresa, estes objetivos mostram como esta prática pode valer a pena.

A importância da contabilidade no processo de abertura de empresas

Ao começar a abrir uma empresa, o gestor tem várias preocupações de diferentes tipos, como qual o melhor equipamento tecnológico comprar ou qual a melhor localização para o seu negócio.

No entanto, deve ter em mente que a Contabilidade é muito importante nesta fase. Por isso, deve se preocupar com ela.

Escritório de Contabilidade ou um contador profissional são fundamentais para qualquer empresa. Eles são aqueles que vão cuidar de todas as questões financeiras e tributárias para a abertura, além de ajudar na tomada das melhores decisões para que o negócio se desenvolva.

No momento da abertura de uma empresa, a Contabilidade se torna imprescindível. O profissional do ramo vai ajudar o empreendedor a entender as tributações, verificar quais tipos de documentos são necessários, qual o posicionamento que o negócio pode tomar assim que for aberto e qual o seu direcionamento para alcançar o caminho certo.

Contabilidade na abertura de empresas

É muito comum que as pessoas acreditem que a contratação de um contador só se faz necessária para cuidar das contas da empresa que já está aberta.

No entanto, ele também pode ajudar na abertura, na manutenção e no encerramento das organizações. Segundo o Conselho Regional de Contabilidade (CRC), está estabelecido que todos os negócios necessitam de acompanhamento e da contabilização da sua movimentação, por meio de um contador registrado.

Hoje, o processo de abertura de uma empresa está mais simplificado. Mesmo assim, as burocracias existentes no processo ainda são muito preocupantes, com a necessidade de se seguir estritamente as leis e normas específicas.

Com uma Contabilidade bem estruturada, o empreendedor poderá garantir que a abertura de sua empresa prospere, pois todos os seus dados e documentação estarão em dia.

A Contabilidade pode ajudar a partir do momento da escolha do formato ideal de seu empreendimento. Ela avalia o que você vai realizar, qual a previsão de faturamento e quais as burocracias existentes que podem influenciar nas decisões do empreendedor.

O profissional de Contabilidade tem competência para fazer com que não aconteçam erros que custem muito dinheiro para o empreendedor, além de atrasar a abertura do negócio. Ele está acostumado com todo o processo e sabe muito bem como guiar o novo gestor para alcançar a eficiência.

Contabilidade como aliada

A Contabilidade será como um filtro para que as decisões mais complexas que um empreendedor precise tomar ao abrir seu negócio sejam feitas de forma inteligente.

Um contador ao lado do gestor na hora da abertura do empreendimento ajudará a lidar com o excesso de papelada. Ele mostrará como funcionam os trâmites em órgãos públicos e como evitar erros em documentação, para não atrapalhar a abertura do negócio.

Com uma Contabilidade Ativa, dentro do seu negócio ou terceirizada, o empreendedor pode sempre tirar as dúvidas que apareçam. O contador ajudará a guiar suas decisões por meio do caminho certo.

Por isso, caso você esteja pensando em abrir o seu negócio, dê importância ao trabalho da Contabilidade. Ela é uma das partes importantes para que seu empreendimento cresça e tome forma.

Quais os passos necessários na hora de abrir um negócio?

Você já parou para pensar quais são os primeiros passos para abrir um negócio? Muitos brasileiros têm o sonho de empreender, mas não sabem bem como começar. Afinal, a burocracia para abrir uma empresa é grande, especialmente no Brasil.

Em outras palavras, é preciso separar uma série de documentos, conversar com profissionais especializados no assunto e elaborar o plano de negócios. Por isso, é natural ter certas dúvidas de como lidar com este processo.

Porém, ao entender como este funciona, fica claro que não é tão difícil assim. Portanto, este post mostra alguns dos passos necessários para abrir um negócio. Confira.

Consulte os profissionais adequados para abrir um negócio

Antes de mais nada, é crucial contar com a ajuda de dois profissionais para a abertura de uma empresa: o contador e o advogado.

contador garante que toda a documentação necessária para abertura da empresa estará em dia. Além disso, recomenda o sistema de tributação que faz mais sentido para o negócio, de modo que você possa economizar.

Em certos casos, o contador também ajuda a montar um cronograma para o pagamento de tributos e a época ideal para o balanço. O aspecto financeiro é um dos principais para qualquer empresa. Logo, contar com um serviço de contabilidade é essencial.

Por outro lado, o advogado ajuda o empreendedor a elaborar outros documentos da empresa. Um exemplo, é o contrato social, essencial para a estrutura de qualquer negócio.

Outra forma como o advogado ajuda é na questão trabalhista. Ele garante que a empresa está de acordo com a legislação no momento da contratação de seus colaboradores.

Faça as consultas e monte a estrutura para abrir um negócio

Uma vez que o empreendedor conte com o apoio dos profissionais adequados para abrir um negócio, pode se focar nos aspectos mais práticos.

Primeiro de tudo, é preciso fazer duas consultas: a viabilidade de nome na Junta Comercial e a consulta de endereço, para saber se a atividade pode ser realizada na sede da empresa.

Outro ponto crucial é registrar a marca. Afinal, este é um investimento essencial para proteger a empresa.

Caso alguém registre o mesmo nome, não importa que seu negócio já esteja consolidado, você precisará mudar. Além disso, é a única forma de se proteger se outra pessoa quiser usar seu nome.

Com todos os pontos acima resolvidos, você lida com a parte mais burocrática de abrir um negócio. Agora, comece a pensar em como funcionará o negócio em si. Para tanto, o ideal é fazer pelo menos 3 planejamentos distintos:

  • Marketing: é essencial investir em Marketing, especialmente para quem quer abrir um negócio. A função primordial desta disciplina é dizer para o público que você existe. Logo, é essencial para uma empresa nova;
  • Logístico: o planejamento logístico ajuda a entender como funciona o seu negócio, na prática. Como é o dia a dia? Como são comprados os materiais? Todas estas perguntas são importantes;
  • Financeiro: possivelmente, o ponto mais importante para abrir um negócio. O planejamento financeiro garante a saúde da empresa, no curto, médio e longo prazo.

O sonho de abrir um negócio não é impossível. Os passos acima trazem o básico do que é necessário para satisfazer o desejo do empreendedor. Portanto, se você tem esta ambição, entenda melhor cada um deles.

Alvará de funcionamento: Veja o que você precisa saber sobre o assunto

Toda empresa que deseja iniciar o seu negócio ou que já esteja estabelecida no mercado precisa apresentar um documento que legalize a sua atividade.

Trata-se do alvará de funcionamento. É por meio dele que todos os tipos de estabelecimentos comerciais, industriais ou prestadores de serviços ficam autorizados a funcionar.

O documento é concedido logo no início de qualquer negócio, sendo concedido pela Prefeitura ou outro órgão governamental do âmbito municipal.

Nele, é garantido o direito de serem exercidas determinadas atividades nos locais referidos, assegurando que os mesmos cumpram com as normas de funcionamento exigidas.

De posse do alvará de funcionamento, a empresa comprova, junto aos órgãos de fiscalização, bem como fornecedores, clientes e demais envolvidos, a sua aptidão para desenvolver atividades e serviços naquele local.

Emissão e características do alvará

Para que o documento seja emitido pela primeira vez, de maneira provisória, o responsável precisa preencher um requerimento em que conste o número da inscrição imobiliária do local ou o IPTU.

Junto com este dado pode ser solicitado ainda um laudo de vistoria do Corpo de Bombeiros.

O responsável precisa ter a posse da seguinte documentação:

– Planta do imóvel onde o negócio pretende funcionar;

– Cópia do recibo do IPTU pago;

– CPF e RG;

– Cadastro do contribuinte mobiliário;

– Setor, quadra e lote do imóvel;

– Declaração de atividade, em que conste o objetivo pelo uso do imóvel;

– Certificado de conclusão de imóvel recém-construído.

Pode ser cobrada uma taxa a ser paga e, na sequência, um fiscal municipal vai comparecer ao estabelecimento para verificar as condições de funcionamento, avaliando a sua adequação ou não ao negócio.

Com o aval positivo para o funcionamento do estabelecimento, o alvará liberando a atividade pretendida no local é emitido.

O alvará de funcionamento é obrigatório para todo tipo de negócio que esteja aberto à circulação de público. Estão incluídos nesta regulamentação:

– Farmácias;

– Teatros;

– Cinemas;

– Bares;

– Lanchonetes;

– Restaurantes;

– Salões de beleza;

– Fábricas;

– Estádios;

– Dentre outros espaços.

O documento apresenta quatro variações, de acordo com a atividade desenvolvida pela empresa.

O Auto de Licença de Funcionamento (ALF) é válido para imóveis não residenciais que instalem atividades comerciais, industriais ou de serviços.

O Auto de Licença de Funcionamento Condicionado (ALF-C) se ajusta às edificações que estejam irregulares ou inscritas no Cadastro Informativo Municipal.

Já o Alvará de Funcionamento de Local de Reunião (ALF), é necessário para todo local que comporte uma reunião de público igual ou superior a 250 pessoas.

Há ainda o Alvará de Autorização para Eventos Públicos e Temporários, destinado para os locais que reúnam, mesmo que temporariamente, mais de 250 pessoas, em espaços públicos ou privados.

Importância do alvará

Estabelecimentos enquadrados nas condições que exigem a posse de alvará e que não o apresentam se colocam em situação irregular junto à Prefeitura.

Neste sentido, são passíveis de autuação, multas e até impedimentos para funcionar.

Um local comercial ou para fins de prestação de serviços que receba um fluxo considerável de pessoas e que não apresente o alvará de funcionamento descumprirá a lei e pondo em risco todos os envolvidos no negócio.

O recomendável é que o alvará fique localizado em um espaço visível do estabelecimento para facilitar o trabalho de eventuais fiscalizações.

Conheça 5 formas de evitar problemas fiscais na sua empresa

Não há nada mais compensador do que abrir um negócio. Para muitos, ainda, inaugurar uma empresa é a verdadeira realização de um sonho. No entanto, existem muitos processos burocráticos que, uma vez despercebidos, podem significar uma verdadeira dor de cabeça para o empreendedor.

E, talvez, um desses processos mais emblemáticos, que pode ocasionar uma série de problemas para a sua empresa, está relacionado às questões fiscais. Não há dúvida que as principais causas de falência e fracasso no ramo empresarial brasileiro estão ligadas as responsabilidades fiscais, tributárias ou contábeis de uma empresa.

Se você deseja saber mais sobre esse assunto, além de evitar que essas situações ocorram com você, fique conosco e conheça as 5 formas de evitar problemas fiscais na sua empresa. Acompanhe.

1. Invista em um contador qualificado

Se existe um profissional que pode dirigir as contas de sua empresa, de forma a evitar qualquer eventual problema com o fisco, esse profissional é o contador.

Além de toda a experiência no setor, o contador também é responsável por orientar toda a equipe a se submeter a uma gestão condizente com a legislação em vigor.

Desse modo, para não cair em nenhuma armadilha fiscal e ter todo o trabalho de uma vida desmanchado, busque o auxílio de um contador. É esse profissional que garantirá que todas as manobras de sua empresa sejam limpas e legais.

2. Elabore um calendário fiscal

A organização é a mãe do sucesso. Pensando nisso, é imprescindível que a sua empresa lance mão de um calendário fiscal que dê conta de todas as transações e movimentos relacionados ao fisco.

Desse modo, busque a ajuda de profissionais para realizar essa tarefa. Lembre-se, também, que já existem milhares de programas e softwares que podem auxiliar na elaboração de um calendário fiscal.

Assim, escolha o melhor modelo para a sua empresa e invista já nesse item extremamente importante para evitar problemas fiscais.

3. Auditorias internas

Estar um passo à frente na identificação de problemas e eventuais inconsistências no ambiente interno da empresa pode ser a melhor maneira para evitar problemas com o fisco.

Nesse sentido, as auditorias internas são o melhor caminho para se obter uma coesão na gestão corporativa, além de levantar dados e informações de imensa relevância para a evolução e o crescimento saudável da empresa.

4. Sempre atualize sua equipe

Outra ferramenta fundamental no combate aos problemas fiscais é, sem dúvida, a informação. Uma equipe que é continuamente atualizada e informada sobre os diversos trâmites da lei e de sua profissão, só tende a oferecer segurança e estabilidade para a empresa onde trabalha.

Desse modo, não pense que gastos com o pessoal é uma despesa. Pelo contrário, você deve encarar o aprimoramento de sua equipe como um investimento que será de enorme importância quando for preciso evitar autuações fiscais e multas desnecessárias.

5. Use a tecnologia a seu favor

Nos dias de hoje, é impossível fugir das ferramentas tecnológicas. No entanto, quem disse que você precisa mesmo fugir? Quanto mais você se torna íntimo das ferramentas digitais, mais sucesso você tem no século da informação.

Além disso, até nas questões fiscais você pode se dar bem se lançar mão de uma parceria tecnológica. Tendo em vista que há vários tipos de softwares capazes de gerir com critério todas as operações financeiras de sua empresa, evitando que possíveis situações fiscais possam ocorrer, a tecnologia só tende a ajudar.

Gostou do artigo de hoje? Entre em nosso site e acesse nosso conteúdo desenvolvido especialmente para você.

5 dicas de administração que todo empresário deve saber

Gerir uma empresa nunca é uma tarefa fácil, independe do setor ou do porte. São muitos os desafios na hora de administrar os negócios e decidir quais atitudes ou rumos tomar para colocar os projetos em funcionamento.

A área de administração de empresas pode ajudar os empresários a lidarem melhor com os seus negócios, dando dicas valiosas sobre as melhores estratégias de gerenciamento. Vamos conferir a seguir 5 dicas de como usar os ensinamentos da administração.

1 – O Mercado deve ser o seu maior guia

O empresário, muitas vezes sem nenhuma formação em administração, pode se esquecer de ficar de olho no que está acontecendo no seu ramo mundo afora. Estar ciente das inovações e dos movimentos mercadológicos é essencial para colocar a sua empresa no mesmo rumo das tendências.

2 – O planejamento deve preceder todas as etapas de um projeto

É fundamental traçar as ações que serão tomadas antes de colocar algum projeto em prática. O planejamento é a chave para pensar estratégias de qualidade, identificando possíveis erros e pensando em como corrigi-los.

Com a gana de empreender suas ideias, o empreendedor pode começar a atuar sem passar pela fase de planejar e detalhar as suas metas e ações. Isso pode ser crucial para determinar o fracasso ou o sucesso do negócio.

É preciso saber, com precisão, quais serão os gastos e os lucros obtidos no início da empresa, além de traçar uma meta para que ela comece a ser sustentável e vantajosa. Sem uma prévia análise dessas condições o seu negócio pode estar totalmente dependente da sorte.

3 – Capital de giro é importante

O que um empresário precisa aprender com a administração é planejar o seu capital de giro. Esse mecanismo permite que o negócio consiga sobreviver em épocas de crise e de pouco retorno financeiro. Sem tal mecanismo a empresa estará fadada a depender dos movimentos do mercado. É importante lembrar que o faturamento não é fixo e estável, ele pode oscilar e isso não deve ser um impeditivo para o funcionamento da empresa.

4 – Vida pessoal e profissional separadas

Principalmente quanto ao controle financeiro, é fundamental que o empresário saiba separar suas finanças pessoais daquelas relacionadas a empresa. Retiradas constantes do caixa do negócio para fins pessoais certamente irão prejudicar o funcionamento do projeto.

Um erro comum é tratar os fundos pessoais e empresariais como se fossem complementares, sendo que o ideal é cada um ser administrado de forma separada e independente.

5 – Atualização

Para manter o negócio sempre crescendo e prosperando é preciso estudar, se atualizar e se atentar a mudanças e novidades. O que um bom administrador e um bom empresário devem ter em comum é a vontade de inovar e de aprender novas formas de aprimorar os seus projetos.

A administração de empresas auxilia o empresário a perceber pontos gerenciais que, se funcionando bem, serão cruciais para alavancar o sucesso e a consolidação da empresa como referência no seu setor de atuação.

Por fim, um bom empresário sabe que precisa utilizar de diversas fontes de conhecimento e também entende que precisa da ajuda de diversos ramos de profissionais para que seu negócio esteja sempre em ascensão.

O que podemos tirar de lição do Coronavírus até o momento

Já que estamos sendo forçados a parar, então por que não aproveitar deste momento para refletir sobre o que podemos mudar?

Já estávamos começando a deixar de usar o termo crise em nosso vocabulário, especialmente no mundo corporativo. De forma inesperada, surge um novo contexto: o Coronavírus ou tecnicamente conhecido como Covid-19, que tem impactado globalmente milhões de pessoas e empresas. Nesse cenário caótico, faz-se necessário, mais do que nunca, que as lideranças coloquem em prática os soft skills, ou seja, competências e habilidades, como resiliência, planejamento, gestão de crise, comunicação e, sobretudo, tomada de decisão. O desafio é preservar tanto os profissionais quanto o negócio e toda a população.

Assim, é preciso agir de forma eficiente e rápida, para que os impactos não sejam maiores. Neste momento, o nível de consciência tende a subir, pois é fundamental cuidar do principal ativo das organizações, as pessoas, porém sem paralisar totalmente a empresa, uma vez que tais líderes também serão cobrados pela entrega de resultados e pelas demandas dos clientes. Uma missão bastante árdua, em meio a um panorama em que a principal estratégia no combate à propagação do vírus é a redução drástica da circulação de pessoas, com a suspensão das atividades de diversos setores, por iniciativa dos líderes ou por decretos governamentais.

Entretanto, muitas empresas não podem parar totalmente, ainda que se torne necessário manter os funcionários trabalhando no modelo home-office. E é importante lembrar que boa parte desses colaboradores sequer experimentou essa modalidade, sendo algo novo e, por isso, desafiador. Estar em casa, juntamente com outros membros da família, possibilita diversas distrações que podem consumir a agenda, jogando a produtividade no chão. Dessa forma, é essencial criar estratégias e orientações, desde acordar no mesmo horário usual, manter a concentração e o foco nas demandas que devem ser entregues, com assertividade.

Além disso, eventos cancelados, casamentos adiados, suspensão de aulas em escolas e universidades, fechamento de fronteiras é a realidade que vivenciamos e vivenciaremos por semanas – ou talvez meses. E, claro, todas as cadeias produtivas da nossa economia serão impactadas e até mesmo repensadas. Mais do que nunca, adaptação e flexibilidade são extremamente importantes.

Outro grande desafio desse contexto é o fato de nós, que sempre vivemos em sociedade, sermos obrigados, por razões óbvias, a nos isolar. Por enquanto, a ordem do dia é se recolher e não se expor nas ruas ou demais estabelecimentos. A sensação de fragilidade, vulnerabilidade e impotência toma conta das pessoas, sem diferenciar idade, cultura, raça ou religião. Já não é mais um problema deste ou daquele país, mas algo generalizado, o que mostra que estamos todos no mesmo barco: ricos, pobres, letrados ou não estão sendo enterrados ao redor do mundo. Dessa forma, o momento atual traz a oportunidade de expandir nossa mente, exercitar o altruísmo e se preocupar com o bem de todos os seres, próximos de nós ou não.

Nesse contexto, entendemos que nossas ações refletem positivamente ou não no todo. Fazendo uma análise quanto aos brasileiros, somos calorosos, e ajudar faz parte do nosso DNA. A cada momento, aumenta a empatia, seja no apoio aos idosos com as compras nos supermercados ou farmácias para que eles não estejam expostos, seja nas empresas que liberam gratuitamente o acesso a treinamentos, livros e outros temas à população que está enclausurada em seus lares.

Portanto, assim como no ambiente corporativo, é preciso ter um trabalho integrado em nossa sociedade, atuando de forma multidisciplinar e em time. Só com o esforço de todos, veremos a melhora dos resultados. Essa talvez seja a principal lição neste momento. A vida – tanto no âmbito profissional quanto pessoal – é imprevisível. É preciso sempre agir com coerência, ética, agilidade e equilíbrio.

É oportuno, ainda, usar essa perspectiva para repensar nossas ações e o impacto de nossas decisões dentro das organizações ou na esfera pessoal. Já que estamos sendo forçados a parar, então por que não aproveitar deste momento para refletir sobre o que podemos mudar? O que podemos transformar, primeiramente, em nós, para que, depois, possamos impactar as mudanças, sejam elas nas empresas ou mesmo nas pessoas com as quais lidamos no dia a dia?

 

Fonte: https://administradores.com.br/

Saiba o essencial sobre direito trabalhista para evitar problemas

Se você é empreendedor há pouco tempo ou pretende começar um negócio em breve, é fundamental que conheça o básico do direito trabalhista para que sua empresa sempre ande dentro da lei e seus funcionários tenham todos os direitos e deveres garantidos.

Além disso, conhecer o Direito do Trabalho evita sérios problemas, como ações movidas por ex-funcionários, cada vez mais comuns.

O que é Direito Trabalhista?

O Direito do Trabalho, resumidamente, é o conjunto das normas que regulamentam as atribuições e relações trabalhistas.

Entre as normas mais comuns estão:

• Décimo terceiro salário;

• Férias;

• Jornada de trabalho;

• Carteira assinada.

13º salário

Segundo o art. 7º, inc. VIII, da Constituição Federal, os colaboradores têm direito ao 13º salário. O valor dele é proporcional ao tempo trabalhado ao longo do ano. Vale lembrar que esse valor pode ser parcelado em até duas vezes. Mas, obrigatoriamente, a primeira parcela precisa ser paga quando o trabalhador tira férias ou até novembro. Já a segunda, precisa ser depositada até dia 20 de dezembro.

Por exemplo: caso o colaborador tenha entrado na empresa durante o ano e trabalhou seis meses, o valor será do honorário recebido, dividido por 12 e multiplicado por cinco.

Férias

Todo colaborador tem direito a 30 dias de férias remuneradas após 12 meses de trabalho. O empregador é o encarregado de marcar as férias dentro do prazo de, também, 12 meses. Esse período é chamado de aquisitivo.

No entanto, caso as férias não sejam agendadas nesse prazo, o empregador é obrigado a dobrar a remuneração que será paga nas férias.

Jornada de Trabalho

O art. 7º, XIII da Constituição Federal e o art. 58 da Consolidação das Leis de Trabalho especificam as normas que regulamentam a jornada de trabalho de um colaborador, ou seja, quantas horas serão trabalhadas. O limite diário são oito horas trabalhadas por dia e 44 por semana. Contudo, resguardado por convenção coletiva de trabalho, o colaborador pode compensar e remanejar essas horas de alguma forma.

Uma dessas formas de flexibilidade é a jornada de 12 horas com descanso de 36 horas. Nesse caso, também é necessário que o somatório semanal seja de 44 ou 48 horas. Vale lembrar que intervalos de almoço e/ou descanso não contam como horas trabalhadas.

Carteira assinada

No ato da contratação, o empregador deve pegar a Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) do colaborador e devolvê-la em até dois dias com os dados do empregador, cargo ocupado pelo colaborador, data de admissão e valor do salário preenchidos.

Caso a contratação não seja definitiva, o empregador tem a opção de firmar um “contrato de experiência”. Nele, o vínculo entre empregador e empregado é de 90 dias, com possibilidade de prorrogação por mais dois períodos de 45 dias. Contudo, esse contrato deve constar na área de “anotações gerais”.

Agora que você já conhece os aspectos básicos do Direito do Trabalho, continue lendo nossos posts do blog para ficar ainda mais por dentro do assunto. Em caso de mais dúvidas, entre em contato com a gente.